Saem os resultados das seletivas de Física

Dos nove alunos selecionados este ano, três são do Etapa – dois vão representar o Brasil na Olimpíada Internacional de Física (IPhO) e um na Iberoamericana.

A coordenação da Olimpíada Brasileira de Física (OBF) divulgou, em abril, os resultados das provas seletivas para as competições internacionais de Física deste ano. A OBF é uma atividade da Sociedade Brasileira de Física (SBF).

Foram selecionados cinco estudantess para compor o time brasileiro na Olimpíada Internacional de Física (IPhO 2017), que acontecerá entre os dias 16 e 24 de julho, na Indonésia. Dos cinco, dois são alunos do Colégio Etapa: Diogo Correia Netto e Gabriel Golfetti, do 3º ano do Ensino Médio. 

A vaga na IPhO 2017 não é novidade para Diogo, que já participou do torneio no ano passado (2016), em Zurich, na Suiça, quando ficou com a medalha de bronze. O estudante começou a competir no 8º ano do Ensino Fundamental e já conquistou duas medalhas de ouro na OBF, em 2015 e 2016.

“Comecei a participar das olimpíadas por gostar de Física. Agora estou me dedicando ainda mais porque pretendo aplicar para uma graduação em Engenharia ou Física nos Estados Unidos”, conta.

Já Gabriel afirma que já gostava da matéria, mas que passou a entender e gostar muito mais depois de começar a participar das competições no 1º ano do Ensino Médio. Dono de uma medalha de ouro na OBF 2015 e de uma prata na OBF 2016, ele também pretende estudar Física numa instituição de ensino norte-americana.

O Etapa, assim como já acontecera no ano passado, foi o colégio que mais aprovou alunos para a IPhO. Até o momento, 88 países já confirmaram que vão enviar equipes para a IPhO 2017.

Iberoamericana - Também foram selecionados quatro estudantes para a edição deste ano da Iberoamericana de Física, sendo um do Etapa: Gustavo Misawa Hama, do 3º ano do Ensino Médio. A competição será realizada na Colômbia, em setembro ou outubro.

Gustavo conta que se interessou pelos treinamentos e competições de Física porque gosta de ser desafiado a aprender mais. “Comecei a estudar e participar das olimpíadas no 7º ano, mas só a partir do 1º ano do Ensino Médio é que passei a me dedicar de verdade”, afirma.

Dentre suas conquistas estão medalha de ouro e de prata na OBF, em 2015 e 2016. Este ano, além de buscar o ouro na Iberoamericana, quer também uma vaga no concorrido vestibular do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA).

O processo de seleção dos estudantes já começa com os resultados da última edição da Olimpíada Brasileira de Física. Os 60 estudantes com melhor desempenho são convidados a fazer três provas seletivas. A últimas delas envolve cerca de 20 estudantes, dos quais nove são escolhidos para representar o país nas competições internacionais.