Alunos do Colégio Etapa conquistam dois ouros na IPhO 2017, na Indonésia

Diogo Correia Netto e Gabriel Golfetti contribuíram para a conquista inédita do Brasil na competição de Física mais importante do mundo

Os alunos do Colégio Etapa, Diogo Correia Netto e Gabriel Golfetti, conquistaram medalha de ouro na 48ª Olimpíada Internacional de Física (IPhO), realizada entre os dias 16 e 24 de julho, em Yogyakarta, na Indonésia.  Neste ano, mais de 400 estudantes de 88 países participaram da IPhO.

  

Gabriel Golfetti e Diogo Correia Netto mostram as medalhas de ouro conquistadas na IPhO 2017

Dividida em dois dias de provas, com cinco horas de duração cada uma, a competição envolve um exame com três problemas teóricos e o desenvolvimento de mais dois experimentos.

No total, os cinco estudantes que representaram o Brasil na IPhO conquistaram três medalhas de ouro e duas medalhas de bronze, sendo o melhor resultado da história do País na competição.

  

A equipe brasileira de cinco estudantes conquistou três medalhas de ouro e duas de bronze

“O treinamento do Colégio Etapa para a IPhO fez toda a diferença na nossa preparação”, afirma Gabriel Golfetti. Durante os últimos seis meses, além de frequentar as aulas do Ensino Médio, Gabriel estudou todos os dias exclusivamente para a competição.

Os medalhistas

Diogo Correia Netto e Gabriel Golfetti frequentam o 3º ano do Ensino Médio do Colégio Etapa e conquistaram vaga na equipe brasileira da IPhO depois de passarem por uma criteriosa seleção da Sociedade Brasileira de Física.

Em 2016, Diogo Correia Netto foi medalha de bronze na IPhO, em Zurique, na Suíça. O estudante começou a competir no 8º ano do Ensino Fundamental e já conquistou duas medalhas de ouro na Olimpíada Brasileira de Física (OBF), em 2015 e em 2016. “Comecei a participar das olimpíadas por gostar de Física. Agora, eu estou me dedicando ainda mais a essa disciplina, pois pretendo aplicar para uma graduação em Engenharia ou Física nos Estados Unidos”, conta Netto.

Gabriel Golfetti afirma que já gostava de Física e passou a entender e a gostar ainda mais depois que começou a participar das competições no 1º ano do Ensino Médio. Com duas medalhas na OBF, sendo uma de ouro em 2015 e outra de prata em 2016, ele também pretende estudar Física na graduação.

Seleção criteriosa

Para participar da IPhO, o estudante precisa obter uma boa classificação na Olimpíada Brasileira de Física (OBF), ou seja: medalha de ouro, se estiver cursando o 9° ano, ou medalha de prata, caso esteja no 1° ano do Ensino Médio. Com esses resultados, o estudante se classifica para a primeira fase da seletiva, que consiste em duas provas aplicadas em junho/julho/agosto e novembro/dezembro/janeiro do ano seguinte.

A nota da seletiva e da OBF são somadas e os melhores colocados são convocados para a segunda fase da seleção, que conta com provas teóricas e experimentais. Nesta segunda etapa, as notas são zeradas e os cinco estudantes com melhor desempenho são classificados para a IPhO.

Histórico da IPhO

A IPhO é considerada a competição de Física mais importante do mundo e a sua primeira edição ocorreu na Polônia, em 1967. Portanto, esta é a segunda olimpíada científica mais antiga do mundo (se for necessário manter esta frase, sinto a falta de mencionar a primeira (IMO)). A próxima edição da IPhO será realizada em Lisboa, Portugal.

Medalhas de ouro e prata na 1ª edição da EuPhO

Os alunos Diogo Correia Neto e Gabriel Golfetti já haviam conquistado dois excelentes resultados na primeira edição da Olimpíada Europeia de Física (EuPhO), que ocorreu na Estônia, em maio de 2017, com a participação de 91 estudantes de 20 países. Na ocasião, Diogo ganhou medalha de ouro e Gabriel conquistou medalha de prata.

A EuPhO seguiu o mesmo padrão de outras olimpíadas internacionais, com uma prova teórica e uma prova experimental de 5 horas de duração cada.